A Embaixada de Portugal em Maputo informa que, em articulação com o Governo moçambicano, será realizado um humanitário entre Lisboa e Maputo, operados pela TAP e com transporte de passageiros nos dois sentidos, nas seguintes datas:

23/07/2020: Lisboa – Maputo (TP3227)

25/07/2020: Maputo – Lisboa (TP3226)

Trajeto Lisboa - Maputo:

Todos os passageiros dos voos de Lisboa para Maputo que deverão realizar um teste gratuito, à chegada, no aeroporto em Maputo, que será disponibilizado pelas autoridades de saúde moçambicanas.

O teste feito no estrangeiro, ainda que o resultado seja negativo, não dispensa da obrigatoriedade do novo teste à chegada.

Os passageiros com destino diverso do da cidade de Maputo, deverão aguardar pelos resultados do teste, antes de seguirem viagem para o destino final.

Os passageiros com destino na cidade de Maputo e arredores poderão aguardar os resultados nas suas casas, observando, todavia, todos os cuidados estabelecidos no protocolo de saúde moçambicano sobre a Covid-19.

É ainda obrigatório o cumprimento de um período de quarentena domiciliária de 14 dias, à chegada a Moçambique.

Trajeto Maputo - Lisboa:

Voo humanitário de regresso 25 de julho

Os passageiros de voos humanitários para Portugal estão isentos da apresentação de comprovativo de teste molecular RT-PCR ao COVID-19, com resultado negativo, antes do embarque.

Não obstante, será feito um controlo sanitário à chegada a Portugal pelas competentes autoridades portuguesas, incluindo o rastreio de temperatura por infravermelhos a todos os passageiros e, caso as autoridades sanitárias assim o entendam, a realização de teste molecular RT-PCR à COVID-19 à chegada a Portugal, que será feito no aeroporto e a expensas do passageiro.

Os passageiros detetados com febre ou sujeitos a teste molecular RT-PCR à COVID-19 podem sair do aeroporto, depois de disponibilizarem os dados de contacto, e permanecerão confinados nos seus destinos de residência até receberem os resultados negativos do teste molecular RT-PCR, no seguimento das orientações da Direção-Geral da Saúde para esses casos.

  • Partilhe