Embaixada de Portugal em Moçambique

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Camões - Centro Cultural Português | Maputo - Homenageia o escritor moçambicano Eduardo White | Escritor do mês na Biblioteca do Camões Sessão: 18 outubro | 17h00 | Maputo

CartazEscritorMêsOutubro FINAL

No âmbito da iniciativa Escritor do Mês, o Camões – Centro Cultural Português em Maputo dedica o mês de outubro ao escritor Eduardo White.

Com o objetivo de aprofundar o conhecimento do trabalho do prestigiado escritor moçambicano, terá lugar no próximo dia 18 de outubro, às 17h00, uma sessão moderada por Emídio de Oliveira e dinamizada pelo Movimento Artístico-Literário Universos, na Biblioteca do Camões - Centro Cultural Português.  A sessão contará com a (re)leitura de excertos da obra “Bom dia, dia “ e de outros poemas.

 

Esta iniciativa resulta de uma parceria entre o Camões – Centro Cultural Português | Maputo e o Movimento Artístico-Literário Universos, uma jovem congregação que luta pela preservação e promoção de valores cruciais para a vida e para o desenvolvimento humano e sociocultural, e não só, através da arte. O Movimento será representado por dois jovens – Obedes Lobadias e Daniela Mussagy - ambos membros da Academia Virtual de Poetas da Língua Portuguesa.


Notas Biográficas:

 

Sobre o escritor:

Eduardo White nasceu em Quelimane em 1963 e faleceu em Maputo em 2014. Poeta e prosador foi fundador da revista Charrua e membro da Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO). Teve colaboração dispersa e variada na imprensa moçambicana e estrangeira. Concebeu e produziu as peças de teatro “O Lugar dos Amotinados” (1983), “Atirei o Pau ao Pato” (2007), “O Libreto da Miséria” (2010), entre outras. A sua poesia está exposta no museu Val-du-Marne em Paris desde 1989. Em 2001 foi considerado, em Moçambique, a figura literária do ano. Tem uma vasta obra publicada do qual se destacam os seguintes títulos: Amar sobre o Índico (1984); Homoíne (1987); País de Mim (1990) - Prémio Gazeta revista Tempo 1987; Poemas da Ciência de Voar e da Engenharia de Ser Ave (1992) - Prémio Nacional de Poesia 1992; Os Materiais de Amor Seguido de O Desafio à Tristeza (1996); Janela para Oriente (1999); Dormir com Deus e um Navio na Língua (2001) -  Prémio Consagração Rui de Noronha 2001; As Falas do Escorpião (novela; 2002); O Homem a Sombra e a Flor e Algumas Cartas do Interior (2004); O Manual das Mãos (2004) -  Grande Prémio de Literatura José Craveirinha, Prémio TVZine para Literatura 2004; Até Amanhã Coração (2007); Dos Limões Amarelos do Falo às Laranjas Vermelhas da Vulva (2009) - Prémio Cores da Escrita; Nudos (antologia da sua obra poética, 2011); O Libreto da Miséria (2010-2012); A Mecânica Lunar e A Escrita Desassossegada (2012); O Poeta Diarista e os Ascetas Desiluminados (2012) - Prémio Glória de Sant’Anna 2013; Bom Dia, Dia (2014).

Sobre o moderador:

Emídio de Oliveira é produtor de programas de teatro e tem concebido peças para o público infantil na Rádio Moçambique. Integrado na equipa do Né Afonso, produziu, entre outras, as peças “Uma História Para Ti”, “Poesia e Contos de Todo o Mundo”, “Karingana Wa Karingana”. Teve incursões na televisão e no cinema, sobretudo com a produção de programas de educação cívica e no resgate da história de Moçambique. Foi diretor e produtor dos seriados “Tchekirau” (para a FDC), “O Orgulho de Moçambique” (para a HCB), “Para Além do Tempo”, “Ecos da Nossa História”, e de várias outras peças de terceiros, como diretor de atores, como produtor e, ainda, como ator. Atualmente trabalha em desenvolvimento rural, na defesa das populações, centrando a sua ação na proteção dos direitos comunitários sobre terra e recursos naturais, e continua a manter estreita ligação com a produção radiofónica. Recebeu o Prémio “Leite Vasconcelos 2010” (de Rádio) e o de Produtor da Rádio Moçambique, em 2011. É também músico (tem letras cantadas por alguns músicos nacionais) e publicou alguns textos na imprensa.

Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail