Embaixada de Portugal em Moçambique

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Mensagem de Boas Vindas

02

No dia em que apresentei credenciais a Sua Excelência o Presidente da República de Moçambique Filipe Jacinto Nyusi e assim inicio oficialmente funções como Embaixadora de Portugal em Moçambique é com muito gosto que vos dou as boas-vindas a este espaço que se pretende seja de informação e de divulgação sobre Portugal, mas também de aproximação entre o nosso país e Moçambique.

Neste início do século XXI, a Internet tornou-se um veículo indispensável de comunicação e de aproximação de todos/as aqueles/as que se encontram separados pela distância.

Este sítio que se deseja seja interactivo e por isso aberto às vossas contribuições é também o espaço para a divulgação das actividades e iniciativas de promoção de Portugal levadas a cabo por esta Embaixada, nomeadamente as do Centro Cultural Português, as da Cooperação Portuguesa e do Centro de Negócios da AICEP. Estarão também disponíveis outros elementos de informação relativos aos vários setores em que se desenvolvem as excelentes e diversificadas relações bilaterais entre os dois países, com o objectivo que, creio poder afirmar ser partilhado, de podermos ter mais comércio, mais investimento, mais turismo, mais cultura entre os nossos países.

Por último, podem ainda encontrar os principais links institucionais e económicos que poderão facultar elementos adicionais de consulta e assim contribuir para um melhor conhecimento recíproco dos dois países e laços mais profundos entre os seus cidadãos.

Espero assim que este seja um espaço facilitador nos vossos contactos com os serviços desta Embaixada e com os vários organismos da Administração Pública em Portugal.

Mª Amélia Paiva

Embaixadora de Portugal em Maputo

12 de Outubro de 2016

Ver fotografias da Cerimónia de Apresentação de Cartas Credenciais: 01   02   03    04


 

Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e Moçambique e Acordo Administrativo relativo à sua aplicação

A convenção sobre Segurança Social entre Portugal e Moçambique foi assinada em 30 de abril de 2010, tendo entrado em vigor em 1 de julho de 2017, conforme Aviso n.º 102/2017.

O Acordo Administrativo relativo às modalidades de aplicação da Convenção, foi assinado em 5 de julho de 2018, durante a III Cimeira Moçambique - Portugal, que teve lugar em Moçambique, e publicado através do Aviso n.º 94/2018, entrando em vigor na mesma data e produzindo efeitos à data de entrada em vigor da Convenção.

Para informação adicional sobre esta matéria, poderá ser consultada a página de internet da Direção Geral da Segurança Social do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social:

http://www.seg-social.pt/noticias/-/asset_publisher/9N8j/content/convencao-sobre-seguranca-social-entre-portugal-e-mocambique-e-acordo-administrativo-relativo-a-sua-aplicacao

Escritor do mês: Agosto 2018 | Ungulani Ba Ka Khosa Sessão: 8 agosto | 17h00 Biblioteca do Camões – Centro Cultural Português em Maputo

CartazEscritorMes

No âmbito da iniciativa Escritor do Mês, o Camões – Centro Cultural Português em Maputo dedica o mês de agosto ao escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa.

Tendo em vista aprofundar o conhecimento do trabalho de Ungulani Ba Ka Khosa, terá lugar no dia 8 de agosto, às 17h00, uma sessão dinamizada por Eduardo Quive, na Biblioteca do Camões - Centro Cultural Português.

A sessão contará com a (re)leitura de excertos do texto das obras “Ualalapi” e “Orgia dos Loucos” de Ungulani Ba Ka Khosa. Da ideia de destruição ou a estranha forma de reconstrução nos tempos do nacionalismo voraz à figura de Ngungunhane que se confunde com várias personagens reais, uma (re)leitura destas obras faz-nos trilhar um caminho (ou vários) que não só nos leva a conhecer o autor, como nos chama para ler o real através da ficção, uma característica que, aliás, a escrita de Khosa mantém mesmo nas publicações atuais.

 

Esta iniciativa resulta de uma parceria do Camões – Centro Cultural Português em Maputo com o Movimento Literário Kuphaluxa.


Nota Biográfica:

Ungulani Ba Ka Khosa, nome tsonga (grupo étnico do Sul de Moçambique) de Francisco Esaú Cossa, nasceu a 1 de agosto de 1957, em Inhaminga, província de Sofala. Formado em Direito e em Ensino de História e Geografia, foi cronista em jornais, cofundador da revista literária Charrua e diretor-adjunto do Instituto Nacional de Cinema e Audiovisual de Moçambique. Exerce atualmente as funções de diretor do Instituto Nacional do Livro e do Disco e é secretário-geral da Associação dos Escritores Moçambicanos. Com a sua obra de estreia, Ualalapi (1987), integra a lista dos cem melhores autores africanos do século XX, vindo a ser desde então largamente premiado. É também autor de Orgia dos Loucos (1990), Histórias de Amor e Espanto (1993), Os Sobreviventes da Noite (2005, Prémio José Craveirinha), Choriro(2009), O Rei Mocho (infantojuvenil, 2012), Entre as Memórias Silenciadas (2013, prémio BCI para o melhor livro do ano) e Cartas de Inhaminga (2017). Em fevereiro de 2014, em cerimónia ocorrida em Maputo, foi condecorado pelo Presidente da República Portuguesa com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo contributo que tem dado para o enriquecimento das letras moçambicanas e a divulgação de Moçambique e das suas culturas a nível internacional.

Contactos

Av. Julius Nyerere, nº 720 / 730
4696 – 00110 - Maputo

(00258) 214 903 16 / 19 / 22
maputo@mne.pt

Mais informação

Apoio às vítimas dos incêndios - Fundo Revita

Para mais informações clique aqui para ver

Ligações úteis

Botão Centro Pedido Vistos

Guia do Cidadão Português

Botão Portal Diplomático

Orçamento Participativo Portugal

Espaço Portugal Moçambique

EMP logo

Logotipo AICEP - Portugal Global

Logotipo Turismo de Portugal

Websummit

Logotipo Portal das Comunidades Portuguesas

Conselhos aos viajantes

Registo Viajante

Logotipo Camões - Instituto da Cooperação e da Língua

Lisboa Capital Iberoamericana da Cultura

Igualdede de Género

Diário da República

Instituto Diplomático

Logotipo Carreiras Internacionais

Logotipo Portugal Economy Probe

Portugal 30 anos na União Europeia

PORDATA